Home
  Nossa História
  Livraria
  Escolar
  Escritório
  Artesanato
  Fornecedores




Outros Fatos
Históricos

O PALADINO
O legado de um ideal continua - Revista Profissão Regional (Março/Abril/2014)
Saiba mais clicando na opção Nossa História no menu acima


  Atas EFC 1931/1972

  O Combate
Boletim EFC/1949


  Livro - 1926
Cinquentenário
De Estrela


  Informe Ecológico

  Selo comemorativo 90 anos - O Paladino

  Album dos Campeões
E.F.C. - 1950





Fundado em 07 de Setembro de 1921, inicialmente como Jornal semanal.

Antonio Cardoso Fundador e Diretor de
"O PALADINO"

Fundador Sr. Antonio Cardoso

Em 1924, ainda como jornal, muda a razão social para Cardoso & Irmão.

Em 1926, passa a denominar-se Cardoso & Mayer, posteriormente Mayer & Cia.

Em 1930, muda a razão social para Mayer & Schwertner e é anexado ao jornal, livraria, gráfica comercial e papelaria.

Em 1934 mudar a razão social para Schwertner & Diehl e logo a seguir para Schwertner & Cia.

Em 1941 o Jornal encerra as atividades mas a gráfica e a livraria e papelaria continuam com a firma individual Aloysio Schwertner.

Em 1963 novamente altera a razão social para A. Schwertner & Cia Ltda.

Em 1993 nova fase, pois com a mudança da razão para L.R.Schwertner & Cia Ltda. as atividades se restringem somente a área comercial. A atual razão social L.R. Schwertner & Cia Ltda., situada à rua 13 de Maio, 236 operando com papelaria, livraria, informática, artesanato, artigos para escritório, material escolar, livros (infantis, adultos e didáticos), embalagens, encadernações, plastificações e cópias xerográficas. Dirigem a empresa atualmente Luiz Roque Schwertner e Mariza Maria Feldens Schwertner.

Conta atualmente no seu quadro com 06 colaboradores.



Papelaria O Paladino tem sua história ligada ao primeiro jornal da cidade gaúcha.
O ano era 1921, o mundo havia há pouco tempo superado o trauma da grande guerra, os países tentavam se realinhar, o Brasil continuava sendo o destino de muitos imigrantes.
Estrela, pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, dava sinais de modernidade ao ver nascer “O Paladino”, jornal que perdurou por várias décadas e que hoje resiste ao tempo como nome de papelaria.
A primeira edição do jornal circulou no dia 7 de setembro de 1921.
Portanto, a história da empresa que hoje é administrada por Luiz Roque Schwertner acabou de completar 87 anos.
Muitas transformações ocorreram nesse período. O ramo do negócio mudou.


Luiz Roque Schwertner tem 62 anos – nasceu poucos meses depois do fim da segunda Guerra Mundial, justamente o motivo que levou ao fechamento do jornal.
Ele é de 30 de outubro de 1945.
É casado com Mariza Maria Feldens Schwertner há 38 anos, sócia no Paladino e quem coordena as compras na loja.
O casal tem três filhos – Vinicius (36 anos), Cristiano (34) e Suzana (31), todos em profissões bem distintas.
Não seguiram o ramo familiar.

Herdeiro - Em 1963, Roque estudava na Escola Técnica de Comércio, quando despertou o interesse em ajudar o pai nos negócios.
Mais tarde cursou faculdade de ciências contábeis e administração de empresa.
Os outros irmãos viraram professora, veterinário e agrônomo.

Aloysio Schwertner Sucessor na administração da empresa


Com o falecimento do pai, Aloysio Schwertner, em janeiro de 1992, com 85 anos de idade, Roque preparou uma mudança no estabelecimento.
Foi a partir de 1993 que, “dentro das novas perspectivas de mercado”, que O Paladino “focou seus investimentos na área comercial”. A. Schwertner & Cia. Ltda., ou O Paladino Livraria e Papelaria é dirigida pelo casal, que possui equipe de seis colaboradores.
“Nossa empresa completou 87 anos de atividades ininterruptas.
Hoje, tem no seu mix artigos escolares, escritório, informática, livros (literatura e didáticos), artesanato, presentes e presta serviço ainda de encadernação e de cópias”, conta Luiz Roque.
Uma lousa, um caderno - “Sempre procuramos nos adaptar à realidade do mercado”, diz o proprietário d’O Paladino.
As transformações foram tantas que um papeleiro de hoje não consegue imaginar como era o segmento décadas atrás.
Luiz Roque Schwertner viveu aquele período.
E conta para as novas gerações.
“Na área de papelaria, por exemplo, no início vendíamos só a lousa.
Posteriormente, o caderno.
Era um modelo só, tamanho único e com uma cor de capa.
A escrita era feita com pena de aço, chamada por aqui por Pena 12, com o respectivo tinteiro.
Do cordão para fechar os pacotes, passou-se à ita adesiva, a Durex, novidade na época.”
Completamente adaptado aos costumes modernos, o papeleiro de 62 anos fala do hábito do estudante de hoje.
“Se o aluno cliente não encontra o caderno capa dura ‘de marca’, com os personagens da mídia, vai ser difícil a gente fechar a venda.”
E vai além.
Fala da variação inimaginável das canetas ocorrida nos últimos anos.
“Agora são coloridas, atraentes, com tinta seca ou gel e de modelos infinitos.
Haja controle nos estoques para não faltar”, brinca o papeleiro.


Trinta anos se passaram até que, em 1993, o patriarca faleceu.
Iniciava-se aí a mais profunda reestruturação. Um novo rumo foi tomado.
“A gráfica encerrou as atividades e o foco principal da empresa passou a ser a área comercial, com políticas comerciais mais modernas”, conta Luiz Roque.
Ele enaltece o legado deixado pelo pai e os exemplos vividos como empresário, esportista, político (prefeito e vereador) e grande divulgador da cultura.
“Vários foram os motivos que nos levaram a seguir na área comercial, com livraria e papelaria.
Um deles porque, na época, era a única na cidade, com bons fornecedores e o giro rápido dos estoques.
Outro, porque no ramo gráfico o processo é mais demorado, exige mão-de-obra especializada e alto investimento tecnológico permanente”, justifica o atual proprietário.


O Paladino - Primeiro exemplar


No início de tudo, O Paladino era um jornal semanal, fundado por Antonio Cardoso, uma liderança em Estrela no início do século passado.
Político do Partido Republicano, era um intelectual da época, com atuação social, religiosa e empresarial de destaque.
Ao lado do irmão Timóteo Cardoso manteve a empresa na área jornalística até 1933.
Foi a partir daí que o pai de Luiz Roque, Aloysio Schwertner entrou no negócio, iniciando a transformação da empresa, passando a trabalhar também com gráfica e papelaria.
Influente em toda a região do Vale do Alto Taquari, logo passou a ofertar livros.
“Durante um breve período O Paladino também comercializou gramofones, vitrolas e discos de 78 rotações da afamada marca RCA Victor.
Além de bicicletas e motocicletas da marca NSU, bem como máquinas de costura Singer”, relembra Luiz Roque.
No ano de 1939, Aloysio Schwertner se tornou o único proprietário.
E dinamizou os negócios.
O jornal ganhou novos colaboradores, passou a ser composto em modernos caracteres de chumbo (tipos), chegou a ter tiragem de 1.500 exemplares semanais, circulando por todos os municípios do Vale.


Equipe: direção e colaboradores 2008







O PALADINO - 90 ANOS







São 32.850 dias de atividades comerciais ininterruptas, voltados para Estrela e o Vale do Taquari.

O Paladino - Livraria e Papelaria



Alcança os seus 90 anos alicerçados em parcerias de sucesso com os seus clientes, os seus fornecedores e a comunidade regional.





Direção e funcionários 2011



O PALADINO - O legado de um ideal continua
Revista Profissão Regional (Março/Abril de 2014)



Clique nas imagens para ampliá-las

O PALADINO O PALADINO


O PALADINO O PALADINO



L.R. SCHWERTNER & CIA LTDA. - RUA 13 DE MAIO, 310 - CENTRO
CX. POSTAL 50 - 95880-000 - ESTRELA (RS)
FONE: 51 3712-2066 FAX: 51 3720-4137
opaladino@opaladino.com.br